domingo, 8 de julho de 2012

História do Chevette (1979)


1979- Mais portas, mais versões.

1979 começou, mas a versão GP terminou... A versão esportiva do Chevette não aguentou a virada do ano. O fim foi melancólico, sem despedidas: simplesmente não apareceu nos catálogos e nem nas tabelas de preço.
O Chevette GP durou três temporadas (1976-1977-1978), mas não emplacou em nenhuma delas. Não, não tenho nada contra esta versão. Apenas penso que o Chevette GP poderia ter sido mais bem aproveitado. Aliás, quem não se lembra do Corsa GSi, nos anos 90? Ou o Uno Turbo, um legítimo pocket rocket, lançado em 1994?
Os pocket rocket (foguetes de bolso, numa tradução livre) são aqueles carros pequenos de excelente desempenho, com uma mecânica feita visando a performance, além do esmerado acabamento esportivo. O Chevette GP poderia ser o primeiro destes no Brasil, mas, por questões mercadológicas, não o foi. Tempos depois surgiu outra versão do Chevette com pretensões esportivas. Mas isto é prosa pra outra oportunidade...

Se uns vão, outros vêm: a Chevrolet trouxe duas novidades para o último ano da década de setenta: a versão quatro portas e a Jeans. Aquela versão era uma novidade, a primeira variação da carroçaria básica lançada em 1973. As portas mediam 94 cm (frente) e 92 (traseira), ante os 108 cm da porta da versão cupê:

Esta foi a primeira variação da carroçaria do Chevette (Foto: Heitor Hui/QR)
A adição das portas facilitava o acesso ao interior do veículo, embora ele continuasse apertado, pois a distância entre-eixos não foi alterada. (Aliás, o único caso de entre-eixos maior foi o Maverick Sedan, cuja distância entre-eixos era maior que a versão cupê). Talvez por isso a espessura dos bancos dianteiros diminuiu, reservando dois preciosos centímetros extras aos passageiros do bano traseiro.

As portas foram pintadas por dentro pra dar  reforçar o fato de que o interior era monocromático (Foto: Heitor Hui/QR).
Eram disponíveis duas versões de acabamento: a básica e a SL, com os itens idênticos aos das outras versões. Uma ausência muito sentida era que, em nenhuma versão, a “trava de crianças”, que impede a abertura das portas traseiras por dentro quando acionada, era disponível.


Apesar de ser uma boa novidade, e de seu belo desing, a versão com duas portas a mais nunca foi sucesso de vendas por aqui. No Brasil, até os anos 80, imperava a cultura das duas portas. Culpa do Volkswagen Sedan? Não sei dizer com a necessária certeza, mas o brasileiro não comprava carro quatro portas como compra hoje. 

Na época, a versão quatro portas do Chevette foi encarada como uma tentativa de oferecer um produto novo no mercado, visto que o Fiat 147, o Corcel II, o Polara e o Volks Sedan não tinham versão quatro portas. O único concorrente deste filão de mercado era o Brasília quatro-portas, também lançado em 1979.
Porém, no exterior, a versão foi bem aceita. Nosso Chevette era exportado para diversos países; sabem como é: santo de casa não faz milagre...
A outra novidade  para '79 foi a festejada versão Jeans. O nome não era em vão: o revestimento interno foi feito totalmente em brim, tal como as calças Lee. Nos bancos e nas portas foram feitos bolsos (falsos) como numa calça jeans:

Um carro alegre, despojado, para o público jovem: Chevette Jeans (anúncio: reumatismo car club .com)
A versão Jeans nasceu para agradar o público jovem, que queria esportividade acompanhada de baixo consumo - e, se possível, pagando pouco pelo carro novo. Tivemos na história de outras marcas várias versões que trilharam o caminho do "esportivo-despojado", como o Dodge SE (1972), Dodge 1800 1800 SE (1974), Corcel II Hobby (1980) e o Passat Surf (1979). Eram versões mais simples, sem cromados, com acabamento interno mais simplificado, na medida para agradar o público jovem.
Foto: Cláudio Larangeira/QR de Abril de 1979.
O Chevette Jeans poderia ser encomendada em duas cores: branco everest e prata diamantina metálica. O painel e os revestimentos plásticos eram pretos, combinando com o revestimento. Externamente, o único detalhe que diferenciava esta versão era o adesivo “Chevette Jeans” aplicado nos para-lamas dianteiros. A versão, disponível apenas em 1979, é bastante difícil de achar ultimamente, principalmente com os revestimentos internos em bom estado.


Alguns detalhes do carro (fotos: Opaleiros do Paraná.com).
Mas que ninguém se engane: em 1977 a Gurgel já havia lançado o Xavante Blue Jeans, com capota e revestimentos feitos em brim azul. O Chevette Jeans pode ter sido o primeiro Chevrolet nacional a receber o acabamento em jeans, embora a primazia no mercado verde-e-amarelo seja do simpático Xavante.

O primeiro veículo nacional a usar jeans: Gurgel Xavante Blue Jeans (fotos: Heitor Hui/ QR de 04/77).
Além dos acontecimentos descritos acima, a linha 1979 trouxe um opcional interessante: a dupla carburação. O carburador com corpo duplo era oferecido a todos os modelos, e tinha a vantagem de aumentar a potência do motor 1.4 em 1cv (passou para 69cv) e 0,3 kgfm a mais no torque (10,1 kgfm ao todo).
Anúncio: reumatismo car club .com.
Outra novidade foi a possibilidade de uma nova cor de acabamento para versão SL, o interior monocromático vermelho. Vale lembrar que desde 1978 a linha Opala tinha esta possibilidade de acabamento interno, que não era tão monocromática assim, pois alguns botões e comandos eram pretos, além da moldura plástica imitando madeira no quadro de instrumentos, hábito  que as fábricas tinham naquela época.

Foto: Heitor Hui/Quatro-Rodas.
Em 1979 foram vendidas 90.084 unidades, um dos números mais expressivos em vendas de toda a carreira do Chevette. E os preços naquele ano eram os seguintes:


25 comentários:

  1. Cheva de 4 portas é mais fácil de encontrar ainda no Uruguai (na minha ida mais recente não vi nenhum Chevette com duas portas, diga-se de passagem) e na Venezuela. Também fez sucesso na Colômbia, onde era muito popular como táxi. A propósito: cheguei a ver um Chevette amarelo com 4 portas hoje em Alvorada, na região metropolitana de Porto Alegre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, é coisa rara ver um Chevette quatro portas rodando. O último que vi foi em 2008, em São José/SC, até que bem conservado.
      Hoje seria impensável a Chevrolet oferecer um Prisma com apenas duas portas...

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigado pela visita e pelo comentário, leofera!

      Excluir
  3. me chamo Jonathan sou de Campos do Jordão eu tenho um chevette sl 79 e não vendo por dinheiro nenhum ele está totalmente original e com o interior todo vermelho, nunca foi reformado e está em excelente estado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Jonathan,

      Fio contente em saber que um SL 1979 tão raro quanto o seu está preservado e em boas mãos. É uma das mais interessantes combinações de cor, coisa que o Opala já tinha desde 1978 (e o Dodge Polara desde 1977, mas como modelo 1978).

      Obrigado pela visita e parabéns pelo seu carro!

      Excluir
    2. Opa, boa noite.
      Sou de Gravatai, RS, tenho um chevette SL 79 muito conservado com interior vermelho, estou precisando vender, quero 13mil reais.
      Meu contato (51)93266988
      email prsilva0869@mail.com

      Excluir
  4. Comprei um 79 4 portas mecanica em dia porem vo pintar ele e fazer ele por dentro to em duvida o parachoque dele e so a lamina mais vou trocar o original e mesmo so a lamina ou aquele que na lamina tembdois tijolinho perto da placa ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Diego,

      Parabéns por sua aquisição! De fato, um Chevette 1979 quatro portas é cada dia mais raro, há tempos que não vejo um destes.

      Então, esse " tijolinho" é um "batente" de borracha, também conhecido como "garra", serve para proteger o para-choque dos impactos menores - e, se não me engano, era equipamento de série nas versões SL (como esse da foto do teste da Quatro-Rodas). As versões mais básicas não tinham essa "garra".

      Então, dependendo da versão (se a básica ou a SL), o parachoque pode ter o batente de borracha. Sinceramente, independentemente da versão, as garras me agradam bastante, dão um charme para o carro.

      Boa sorte na restauração e qualquer dúvida é só perguntar.
      Abraço,

      Excluir
  5. Olá tenho um Chevette Jeans 79 que está bem preservado.
    Caso tenha interesse te forneço as fotos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Gilson,

      Primeiramente parabéns por seu carro! Um Chevette Jeans é bem raro, principalmente preservado (nunca vi um pessoalmente, pra ser sincero, só em fotos).

      Agradeço muito - e terei o maior prazer de receber as fotos (e, se permitires, de publicar aqui no espaço). Meu e-mail de contato é douglasantunespacheco@gmail.com

      Obrigado pela visita e um grande abraço!

      Excluir
  6. Eu tenho também um chevette jeans, meu primeiro carro. Somente a palavra felicidade pode descrever como é adquirir um carro assim. O antigo dono tentou deixar o mais original possível, mas não conseguiu terminar o trabalho. Agora cabe a mim terminar e deixar todo original, está faltando apenas o estofamento que ainda não é o original.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado,

      Com certeza será uma tarefa das mais interessantes e sucesso nessa restauração!
      Grato pela visita e pelo comentário!

      Excluir
  7. Gostaria de saber qtos Chevette jeans foram fabricados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Neri,

      Infelizmente eu não tenho essa informação, penso que só a Chevrolet poderá nos dizer. Arriscaria um palpite de que uns 10.000, se tanto, foram feitos. Era uma série especial, certamente tão rara quanto o Chevette Ouro Preto ou o Chevette País Tropical.

      Se eu conseguir essa informação, eu a publicarei aqui.

      Grato pela visita!

      Excluir
  8. Gostaria de saber qtos Chevette jeans foram fabricados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Neri,

      Infelizmente não tenho essa informação, mas estou correndo atrás de quem pode ter (a Chevrolet e a Anfavea). Qualquer novidade eu posto no blog!

      Excluir
  9. Opaa
    So de ponta grossa Paraná
    E tenho dois chevette sl
    Um cupe que rat bem bacana
    Outro é minha joia 4 portas monocromático marrom. .
    Gostaria de saber se o formação original vinha o coro do teto até em baixo da coluna entre as duas portas e também se o acabamento que vai no lado esquerdo do pé do motorista e do lado doreito do passageiro era em couro ou do mesmo carpete..agradeço desde ja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado,

      Parabéns pelos Chevette, são carros interessantes e altamente divertidos!
      Quanto às dúvidas: a) se não me engano, o revestimento do teto não revestia a coluna "b", a que fica entre as portas, lá era pintado na cor do carro - quando o interior era vermelho, a lataria interna também era pintada em vermelho; b) esse acabamento era um tipo de couro, quase um courvin, bem grosso e até resistente, era um reforço sobre o carpete do assoalho.

      Abraço e obrigado pela visita!

      Excluir
  10. Se aguem tiver mais fotos do interior original como estas a cima agradeço se poder manda .
    Tonychevetteiro@gmail.com obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Antônio,

      Enviarei ao seu e-mail a cópia digitalizada do catálogo do Chevette 1979, com algumas fotos do interior, em boa resolução. Espero que ajude!

      Abraço,

      Excluir
  11. Eai pessoal, possuo um Chevette Jeans e gostaria de saber quanta unidades fora produzidas/vendidas desse modelo, tive informações de fontes não muito confiáveis de que foram apenas 800 unidades, gostaria que alguém confirmasse a vericidade dessa informação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Phelipe,

      Infelizmente não tenho essa informação; qualquer número que eu dissesse seria um palpite. Porém, penso que mais de 800 unidades foram produzidas, arriscaria que uns 8% ou 9% dos Chevette produzidos em 1979 receberam o acabamento da série Jeans.

      Recentemente, entrei em contato com a Chevrolet e a Anfavea (esta responsável pelos números de produção), qualquer novidade nesse sentido eu publicarei no blog.

      Grato pela atenção e pela visita!

      Excluir
  12. Tenho um chevette 79 que tem no documento a seguinte descrição, marca/modelo: GM chevette especial. Queria saber a que se refere esse especial.

    ResponderExcluir
  13. Prezado,

    O "Especial" que consta no documento é o nome da versão de acabamento do seu Chevette. Naquele ano de 1979, havia a versão Especial (a mais simples), a L (de "luxo") e a SL (de "super luxo") a topo de linha.

    Confome consta em um manual da Chevrolet do Brasil, o segundo caracter do chassi do seu Chevette 1979 define a versão: se o número começa com 5C é o Chevette Especial; 5D é o Chevette Luxo; e, 5E é o Chevette SL.

    Grato pela visita e pelo comentário, espero ter ajudado a solucionar esta dúvida.

    ResponderExcluir

Este espaço está sempre aberto para sua colaboração.
Os comentários são sempre bem-vindos.