sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Propaganda da Semana: Dardo (1981)

Hoje é dia de abrir o baú e relembrar do nosso passado (como, via de regra, costumo fazer neste blog). E dentre tantos carros nacionais, o que me cabe falar hoje é do interessante  (e um bocado raro) Dardo.

Não, eu não escrevi errado. Não me ocuparei do Dart, aquele fantástico automóvel produzido pela Chrysler. É o Dardo mesmo, produzido pela Corona S/A e vendido nos concessionários Fiat.

Nessa altura do texto, provavelmente o amável leitor deve pensar que essa história toda é bem interessante, o que de fato é: motivada pela proibição das importações, muitas pequenas fábricas (e outras nem tão pequenas assim) trouxeram ao mercado nacional modelos novos, sempre com base em uma mecânica conhecida. E a Corona S/A (nada a ver com aquela marca de chuveiros elétricos), apostando no trabalho de Toni Bianco, resolveu apresentar um novo automóvel nacional, o Dardo:

Extraída do site propagandasdecarros.com.br.
Se você é automobilista especializado em Fiat, certamente acha algo de familiar no Dardo. E tem mesmo, pois suas linhas são claramente inspiradas no X 1/9, um carrinho esporte (com todo respeito) lançado em 1972 pela marca italiana, um sucesso àquela época.

O similar brasileiro foi lançado em 1979, e seu coração era mineiro da cidade de Betim: o motor era o mesmo do Fiat 147, o famoso Fiasa, um quatro-cilindros 1,3 de 72cv. A performance poderia ser classificada como discreta (se você procura arrancadas fortes e um motor que rosne forte, fará melhor escolha comprando um Puma GTB ou um Santa Matilde), mas o estilo era bem interessante. O painel de 147, enriquecido com os instrumentos auxiliares do Passat TS, e as lanternas do Alfa Romeo 2300 não destoavam do conjunto.

Realmente, o Dardo era um carro que chamava a atenção, tanto no estilo quanto na mecânica, porquanto apresentava soluções pouco comuns no mercado nacional daqueles tempos: motor central, freios a disco nas quatro rodas e faróis escamoteáveis. A baratinha era bem vistosa, perfeita para se tirar a cobertura do teto (o Dardo é um modelo targa) e sair por aí, preferencialmente bem acompanhado...

Três anos após o lançamento, a Corona providenciou um motor mais caprichado, um 1,5, preparado pelo mestre Silvano Pozzi, capaz de render 96cv. Em 1982, recebeu novos faróis, perdendo muito na semelhança com o X 1/9. Ao que consta, vendeu aproximadamente 300 unidades até o final de sua produção, em 1985.
Se nos anos '80 achar uma baratinha dessas não era moleza, imagine hoje...

Em tempo: se você gosta do Dardo, não deixe de ler essa reportagem da Quatro Rodas sobre o modelo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço está sempre aberto para sua colaboração.
Os comentários são sempre bem-vindos.